O guia de eventos mais completo e atualizado do Porto

O Porto pela Lente de João Cabral

Retrato da Alma Portuense

João Cabral documenta as ruas do Porto com uma visão cinematográfica que faz lembrar filmes de Béla Tarr. 

Uma extensa obra de imagens intemporais que se dissolvem com a intensa melancolia do nevoeiro que paira no Porto.

Depois de Concluir a licenciatura em Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, mergulha  na fotografia com o olhar periférico ampliado e ingressa no Instituto Português de Fotografia. Hoje em dia não sabemos muito bem se tira fotografias ou faz pinturas.

(Entrevista a João Cabral após as fotografias)

O porto pela lente de joão cabral

Entrevista com
João Cabral

O porto pela lente de joão cabral

Agenda Cultural Porto:  Lembra-se quando e como foi o seu primeiro contacto com a fotografia?

João Cabral: Para dizer a verdade, sempre tive contacto com a fotografia, mas nunca me interessei realmente por ela antes de entrar na Faculdade de Belas Artes, onde estudava Artes Plásticas, mais especificamente, Pintura e tive de aperfeiçoar algumas competências na área da Fotografia para depois poder, a partir de boas imagens, criar pinturas. O meu primeiro contacto com a fotografia mais sério, no que diz respeito a revelação e impressão, e também a captação de imagens, surgiu no meu último ano de Belas Artes,
particularmente numa disciplina, Práticas da Fotografia.

ACP: Com que área da fotografia se sente mais a vontade e as razões dessa preferência?

JC: Neste momento a área da fotografia que me sinto mais confortável é, sem dúvida, a
fotografia de rua. Por algumas razões, na realidade. A primeira razão deve-se ao facto
de que acontece sempre muita coisa na rua, no que diz respeito ao aspecto visual, as
ruas são algo rico, em termos de arquiectura, pessoas, acontecimentos, luz, formas,
tudo o que interessa na fotografia pode ser encontrado para mim, na rua, e na cidade. A
segunda razão prende-se com o facto de que, é uma fotografia muito prática e rápida,
basta sair de casa para criar algo, o que facilita bastante um processo criativo mais
intuitivo e imediato. E, além disso, o que me tem interessado ultimamente é mais a
fotografia de rua em outras cidades fora daquela onde vivo, o que a torna ainda mais
desafiante e libertador.

ACP:  Quais são os fotógrafos que o influenciaram? Tem referências?

JC: Tenho algumas referências sim, os meus fotógrafos de referência são especialmente
fotógrafos franceses dos anos gloriosos da fotografia de rua em Franca, Cartier-Bresson,
Ronis, Doisneau, Izis, Atget (um pouco antes), Sabine Weiss, entre outros. Gosto da sua
visão muito narrativa e romântica acerca da cidade.

ACP: Quais são as influências da cidade do porto na sua fotografia?

JC: No que diz respeito às referências na cidade do Porto, posso nomear três. Em primeiro
lugar, posso afirmar que é uma cidade bastante rica em termos arquictetónicos, por um
lado bastante monumental e por outro lado encontramos uma arquitetura mais
doméstica, aliada a uma luz muito específica da cidade, sendo sempre bons motivos
para fotografar. Em segundo lugar posso nomear como uma grande influência as memórias que tenho da cidade seguindo muitas vezes a locais onde acabo a fotografar.
Por fim, uma terceira influência posso considerar o clima do Porto, especialmente o
nevoeiro (que antes era mais comum e agora menos), a humidade e a chuva de uma
cidade perto do Atlântico. Pessoalmente, acho que qualquer fotógrafo ficaria facilmente agarrado.

ACP: Tem alguma fotografia do Porto preferida e qual o motivo?

JC: É difícil escolher uma fotografia preferida, se tivesse de escolher, escolhia uma rua, ou algumas ruas. A Rua 31 de Janeiro é sem dúvida uma rua que nunca me canso de fotografar, por duas razões específicas, a primeira, talvez, devido ao grande movimento
de pessoas na hora de ponta que vindas da parte alta da cidade para o centro, a
segunda razão, o comprimento da rua, isto porque, sendo uma rua comprida, permite,
através da atmosfera e da luz e da distância focal, criar perspectivas e ângulos quase
sempre diferentes.

Para mais info: https://www.joaocabralphotography.com/

Rui Pina fotografia
Rui Pina aka Expeão

Fotografia de Rua

Rui Pina retrata a monarquia e a plebe da Invicta. Como um antropólogo do contemporâneo consegue captar as essências, as armaduras, os anseios, os perfumes, as dores e as angustias (…)
O porto de Artur Pastor

O Porto de Artur Pastor

Fotografia

Ribeira do Porto década de 50 / 60 por Artur Pastor.
 
Elias Lazaroni é um artista que a cidade do Porto roubou ao Rio de Janeiro. O pincel do carioca é extravagante quebrando padrões estéticos e morais.(…)
blank
Centro Português de Fotografia (CPF)
Património fotográfico do Porto
O Centro Português de Fotografia está localizado na antiga prisão do Porto e hoje em dia abriga uma grande parte do património fotográfico do país.
Música ao Vivo
Os melhores locais com música ao vivo onde reinam os sons do jazz e do blues na Cidade do Porto (…)
Sabe qual é a origem do nome Castelo do Queijo ou da expressão “Fino como o alho”? (…)
Fique a par das novidades!

O Porto pela Lente de João Cabral

João Cabral Fotografia