O guia de eventos mais completo e atualizado do Porto

Travessia - Auditório Municipal de Gaia

Travessia – Auditório Municipal de Gaia

A IV Edição do Festival transfronteiriço Regards Croisés Portugal acontece em Vila Nova de Gaia entre os dias 30 março e 1 de abril de 2023. O Armazém22 e o Auditório Municipal de Gaia vão acolher espetáculos de dança contemporânea, ensaios abertos e workshops para bailarinos e público em geral.
Regards Croisés Portugal é um projeto de cooperação coreográfica para a difusão da dança contemporânea e a promoção de encontros entre o público, artistas e estruturas educativas, segundo a prática de diferentes visões artísticas e culturais oriundas de realidades geográficas distintas (Portugal, Espanha, França). O festival é organizado, desde 2020, pela Kale Companhia de Dança, em parceria com Centro Coreográfico Nacional Malandain Ballet Biarritz e Fundición Bilbao (Bilbao-Espanha), com o apoio da Câmara Municipal de Gaia.
Na abertura oficial, no Auditório Municipal de Gaia a 31 março, propõe-se a nova criação da Kale Companhia de Dança: TRAVESSIA [pt.es.fr]. Seguindo o espírito de partilha de linguagens transfronteiriças do certame, a Kale Companhia de Dança convida 3 coreógrafos de cada país representado – França, Espanha, Portugal – a desenvolver uma criação original para os intérpretes da companhia.
Num espetáculo em formato triplo, partilhamos com o público a visão de três coreógrafos de diferentes linguagens: Pedro Ramos (PT), um criador em plena expansão na dança contemporânea em Portugal, David Gernez e Lucie Augeai, os dois coreógrafos da companhia Adequate (FR), que gostam de confrontar a sua escrita coreográfica contemporânea com a música antiga através de uma prática combinada de dança e canto, e Judith Argomaniz (ES), uma coreógrafa nascida em San Sebastian que se inspira nas suas origens bascas para desenvolver uma coreografia enérgica e telúrica explorando as preocupações da sua geração face ao mundo atual. TRAVESSIA é uma alegoria às viagens que cada um faz ao longo da sua vida e que se encontra em todas as pequenas partes do dia-a-dia. TRAVESSIA fala-nos de percursos, experiências e traz a palco a sensação de movimento e energia que nos impulsiona.
A Nova Criação da KALE Cia. tem estreia internacional no âmbito do Festival Regards Croisés, a 23 março 2023 no Colisée Biarritz, França, com apoio da European Festivals Fund for Emerging Artists – EFFEA, programa cofinanciado pela União Europeia. A Kale Cia. propõe-se ser o veículo criativo de um espetáculo que reúne em palco jovens bailarinos em diferentes fases da sua formação e carreira profissional, com coreógrafos também eles em diferentes etapas da sua carreira artística com a sua visão própria e única da linguagem da dança contemporânea.
Para além destes espetáculos no Auditório Municipal de Gaia e Armazém22, com preço único a 7,5€, o Festival Regards Croisés Portugal, propõe 2 ensaios abertos com entrada gratuita, nos dias 30 e 31 março e 1 workshop dança, a 1 abril, destinados a bailarinos profissionais, pré-profissionais e público em geral, com inscrição em [email protected].

A IV Edição do Festival transfronteiriço Regards Croisés Portugal acontece em Vila Nova de Gaia entre os dias 30 março e 1 de abril de 2023. O Armazém22 e o Auditório Municipal de Gaia vão acolher espetáculos de dança contemporânea, ensaios abertos e workshops para bailarinos e público em geral.

Regards Croisés Portugal é um projeto de cooperação coreográfica para a difusão da dança contemporânea e a promoção de encontros entre o público, artistas e estruturas educativas, segundo a prática de diferentes visões artísticas e culturais oriundas de realidades geográficas distintas (Portugal, Espanha, França). O festival é organizado, desde 2020, pela Kale Companhia de Dança, em parceria com Centro Coreográfico Nacional Malandain Ballet Biarritz e Fundición Bilbao (Bilbao-Espanha), com o apoio da Câmara Municipal de Gaia.

Na abertura oficial, no Auditório Municipal de Gaia a 31 março, propõe-se a nova criação da Kale Companhia de Dança: TRAVESSIA [pt.es.fr]. Seguindo o espírito de partilha de linguagens transfronteiriças do certame, a Kale Companhia de Dança convida 3 coreógrafos de cada país representado – França, Espanha, Portugal – a desenvolver uma criação original para os intérpretes da companhia.

Num espetáculo em formato triplo, partilhamos com o público a visão de três coreógrafos de diferentes linguagens: Pedro Ramos (PT), um criador em plena expansão na dança contemporânea em Portugal, David Gernez e Lucie Augeai, os dois coreógrafos da companhia Adequate (FR), que gostam de confrontar a sua escrita coreográfica contemporânea com a música antiga através de uma prática combinada de dança e canto, e Judith Argomaniz (ES), uma coreógrafa nascida em San Sebastian que se inspira nas suas origens bascas para desenvolver uma coreografia enérgica e telúrica explorando as preocupações da sua geração face ao mundo atual. TRAVESSIA é uma alegoria às viagens que cada um faz ao longo da sua vida e que se encontra em todas as pequenas partes do dia-a-dia. TRAVESSIA fala-nos de percursos, experiências e traz a palco a sensação de movimento e energia que nos impulsiona.

A Nova Criação da KALE Cia. tem estreia internacional no âmbito do Festival Regards Croisés, a 23 março 2023 no Colisée Biarritz, França, com apoio da European Festivals Fund for Emerging Artists – EFFEA, programa cofinanciado pela União Europeia. A Kale Cia. propõe-se ser o veículo criativo de um espetáculo que reúne em palco jovens bailarinos em diferentes fases da sua formação e carreira profissional, com coreógrafos também eles em diferentes etapas da sua carreira artística com a sua visão própria e única da linguagem da dança contemporânea.

Para além destes espetáculos no Auditório Municipal de Gaia e Armazém22, com preço único a 7,5€, o Festival Regards Croisés Portugal, propõe 2 ensaios abertos com entrada gratuita, nos dias 30 e 31 março e 1 workshop dança, a 1 abril, destinados a bailarinos profissionais, pré-profissionais e público em geral, com inscrição em [email protected].

Travessia (PT/ES/FR)

Coreografia | David Gernez e Lucie Augeai (FR), Judith Argomaniz (ES), Pedro Ramos (PT)

Interpretação | Inês Costa, Ivo Santos, Maria Abrantes, Maria João Carrasco, Mariana Barbosa, Miguel Querido, Rita Barbosa

Desenho de luz | Joaquim Madaíl

Operação de luz e tournée | Francisco Campos

Ensaiadoras | Sara Moreira, Inês Negrão, Isabel Ariel

Apoio: CCN Malandain Ballet Biarritz (FR), Município de Gaia, Ginasiano Escola de Dança

M/6 . 70 min

TRAVESSIA

ONDAS

Coreografia | David Gernez e Lucie Augeai (FR)

Bailarinos | Inês Costa, Maria Abrantes, Mariana Barbosa, Miguel Querido, Rita Barbosa

Queremos trabalhar sobre o mar, a noção de líquido, de fluido, como a construção de uma onda e a sua contracorrente. Desenvolveremos também a noção de viagem, de travessia, através do corpo e da voz.

Utilizando um repertório de música antiga, procuraremos, em colaboração com os bailarinos, utilizar a voz cantada como motor do movimento e do espaço. Neste contexto, a fim de trabalhar na viagem que está a ser preparada e na onda que virá, integraremos uma antiga canção de marinheiro que será cantada pelos dançarinos a cappella, numa tentativa de criar ou recriar uma cadência rítmica corporal unificadora.

ITER

Coreografia | Pedro Ramos (PT)

Bailarinos | Inês Costa, Ivo Santos, Maria João Carrasco, Mariana Barbosa, Miguel Querido, Rita Barbosa

Iter, em latim, significa Percurso, caminho percorrido, viagem.

Iter é uma jornada à imensidão de um dentro, a um interior centro magnético, vivido como um ininterrupto fluxo de sensação. A Afinação do gesto que serve de veículo na apreensão do ser. A um sol negro, de onde irradia uma totalidade visceral que nos liga à apreensão de um mistério.

Emersão de um estado que transforma o espaço pelo mergulho no corpo na união da consciência e energia dirigida num fluxo que dança.

O acelerar e desacelerar, pela trilha da sensibilidade até ao lugar sem tempo.

TRIP

Coreografia | Judith Argomaniz (ES)

Bailarinos | Inês Costa, Ivo Santos, Maria João Carrasco, Mariana Barbosa, Rita Barbosa

Uma viagem. Uma viagem coreográfica convidando o espetador a contemplar a Dança na sua essência pura.

SOBRE A COMPANHIA

A Kale é uma plataforma de crescimento para a interpretação, expondo jovens intérpretes a criadores com linguagens físicas e artísticas distintas, com os seus estímulos e conceções da dança contemporânea. Em 2013, iniciou uma nova fase do seu projeto com a estruturação de uma companhia de dança profissional. A linha conceptual que alicerça a construção da identidade da Kale relaciona-se com a afirmação da dança contemporânea enquanto linguagem que evoca a fisicalidade e intensidade dos corpos, a abertura da dança a outras linguagens artísticas, assim como a contratação de um corpo de bailarinos que se adapte a diferentes linguagens e técnicas. Trabalhou no seu percurso com coreógrafos como André Mesquita, Matxalen Bilbao, La Tierce, Christine Hassid, Hélder Seabra, Jaiotz Osa, Gilles Baron, Olatz de Andrés, Paula Moreno, Eldad Ben- Sasson, Isabel Ariel, Elisabeth Lambeck, Giselle Rodrigues, Paula Águas. Desde 2016 a KALE convida diferentes coreógrafos de renome, e emergentes, para criar repertório e uma identidade na dança contemporânea que se caracteriza por um estilo rigoroso, técnico e de exploração de movimento genuíno, apropriada por um corpo de bailarinos jovem.

Biografias

JUDITH ARGOMANIZ

Formou-se em Donostia, Barcelona e Madrid, e formou-se como coreógrafa no Conservatorio Superior de Danzas María de Ávila em Madrid, obtendo a mais alta qualificação e o extraordinário prémio de criação. Em 2017 recebeu o prémio de revelação da Associação de Profissionais de Dança de Gipuzkoa “pelo seu potencial com um futuro promissor no mundo da coreografia e da performance”. Argomaniz dirige a LASALA como encenadora e coreógrafa há dez anos e apresentou o seu trabalho em Espanha, no Teatro Arriaga em Bilbao, no Teatro Principal em Valência, no Auditório Carlos Saura em Huesca, etc., e também na Europa e Taiwan. Argomaniz é também artista convidada em várias empresas onde desenvolve novas criações. Foi coreógrafa do filme DANTZA pelo realizador Telmo Esnal. Com as suas criações ganhou prémios em numerosos concursos e feiras coreográficas nacionais e internacionais, tais como o primeiro prémio no Concurso de Coreografia Contemporânea para Jovens Companhias – Les Synodales, Sens, França e no IX Concurso Internacional de Dança e Artes Cénicas Ciudad de Alcobendas; Prémio para Melhor Utilização da Linguagem no Festival Premios Lujo, Prémio para Melhor Espectáculo de Dança na Feira Internacional de Teatro e Dança de Huesca; Prémio para Melhor Espectáculo de Rua no Umore Azoka Leioa. Para além da sua faceta criativa, Judith combina as suas criações com o ensino, dando aulas e workshops sobre processos criativos e novas dramaturgias em conservatórios, ciclos e universidades.

PEDRO RAMOS

Director Artístico da Ordem do O. Coreógrafo, Bailarino, Investigador, Artista Visual, Músico/Cantor, Professor de Dança e Hatha Yoga, tendo feito a sua formação como Instrutor no Centro Português de Yoga com Carlos Rui Ferreira. É licenciado pela Escola Superior de Dança, tendo frequentado a Pós-graduação em Dança Movimento Terapia e comunicação não Verbal na UAL. Lecciona Análise e Técnicas de Composição na Escola de Dança do Conservatório Nacional e Oficina de Corpo I e II na licenciatura de Teatro na Escola Superior de Arte e Desing das Caldas da Rainha. É Aluno de Mestrado de Teatro do Movimento, na Escola Superior de Teatro e Cinema. Como intérprete tem trabalhado com vários criadores nacionais e internacionais entre os quais destaca: Madalena Vitorino, Clara Andermatt, Rui Lopes Graça, Stephan Jurgans, José Laginha, Félix Lozano, Cláudia Novoa, João Lorenço, Luca Aprea, Silke Z., Ana Rita Barata, Sofia Belchior, Sofia Silva, Né Barros, Paulo Rodrigues, João Brites, Teresa Simas, Luís Castro, Miguel Moreira e Paulo Ribeiro. Tem feito várias criações como “Coexistência”, “Saindo do Escuro…”,”Minuto”, “VideoDança 06”; “Room” em colaboração e a partir do trabalho do artista plástico Noam Bem Jacocov ; “Memória de uma Origem”, “InAdega” (co-criação com Sofia Belchior), “Orbita do cérebro na planta da mão”; “Atractor Estranho”,”Diário Metafísico”, “Quadratura do Espaço Curvo”, “Matriz Arcaica da Sublimação de um Corpo”, “Coniunctio”, “Alento”, “IMO:Eco-sitema Interior”, “Rizoma”, “Corpo Anímico”, “Metamorfoses” e “Naga”. Ao longo da sua carreira profissional tem sido várias vezes premiado e reconhecido, tanto a nível individual (melhor bailarino contemporâneo 2008- Gala Dance Awards-RTP1; Medalha de Mérito IPL- 2009) como no Colectivo (Caruma- espectáculo do Ano 2006; Saga – Opera extravagante- Globos de Ouro; Txt – 1o Prémio Exprimenta Desing, Quixote 1o prémio da SPA.) De à 5 anos para cá tem desenvolvido grande parte do seu trabalho em laboratório artístico na Floresta de Monsanto onde apresenta regularmente as suas criações, investigando e explorando a relação do corpo com o interno e com o entorno natural.

LUCIE AUGEAI E DAVID GERNEZ (CIE ADEQUATE)

Lucie Augeai

Após uma formação inicial em ciência política e direito, Lucie Augeai formou-se em diferentes formatos com coreógrafos tais como Emanuel Gat, Nasser Martin-Gousset, ou Bill T Jones, obtendo assim o seu diploma estatal. Desde 2010, tem trabalhado com companhias de arte contemporânea e de rua, experimentando uma nova abordagem no palco entre teatro e dança. Tem trabalhado com a companhia Étant Donné (Opus 1 e Absurdus), com Pedro Pauwels (Sens 1 e performances site-specific), e com realizadores como Omar Porras. Muito cedo desenvolveu o seu próprio trabalho coreográfico, primeiro em oficinas coreográficas para amadores, depois criando os seus primeiros trabalhos para eventos e locais não dedicados à dança contemporânea. Foi finalista do prémio Audace artistique et culturelle do Ministério da Cultura francês pelos seus projectos com a companhia Étant donné en Auvergne. Desde 2011, é coreógrafa associada a David Gernez no seio da Compagnie Adéquate onde ambos desenvolvem um trabalho e uma visão singular da dança contemporânea com uma dança física, matizada com o trabalho da voz (entre oficinas dedicadas a cantores e peças coreografadas cantadas), nascida do encontro com Simon-Pierre Bestion do ensemble La Tempète.

David Gernez

David descobriu a dança numa escola em Hyères (França, 1983). A sua carreira única como bailarino e intérprete começou na Suíça em 2002, tomando forma através de projectos independentes, mas também

de musicais e óperas. O ano de 2005 marcou o início de uma parceria profissional com Angelin Preljocaj, primeiro como estudante no GUID, depois juntando-se à companhia de Preljocaj onde dançou as peças mais importantes do seu repertório: Noces, Les 4 Saisons… Movimentos Vazios (partes I & II). A sua carreira continuou então com Emanuel Gat (The Rite of Spring; K626; 3for2007; Silent Ballet and Sixty Four), Nasser Martin-Gousset, a Companhia Linga (no.thing; re-mapping the body), e os irmãos Ben Aïm (CFB451; Valse à trois temps). Desde 2011, é coreógrafo associado a Lucie Augeai no seio da Compagnie Adéquate onde ambos desenvolvem uma visão singular da dança contemporânea com uma dança física, matizada com o trabalho da voz (entre workshops dedicados aos cantores e peças coreografadas cantadas), nascida do encontro com Simon-Pierre Bestion do ensemble La Tempète.

Kale Companhia de Dança

Direção Artística | Joana Castro

Planeamento Estratégico | Daniela Tomaz

Produção Executiva | Gabriela Brás

Direção Técnica | Joaquim Madaíl

Assessoria Imprensa | Joana de Belém

Design Gráfico | Rapaz de Carvão

INFO

Email: [email protected] Website: https://kale.pt https://www.facebook.com/kalecompanhia https://vimeo.com/kalecompanhia https://www.instagram.com/kalecompanhia

Fonte: http://www.cm-gaia.pt/pt/eventos/travessia/

Travessia – Auditório Municipal de Gaia

Data

31 Mar 2023
Desde

Localização

Auditório Municipal de Gaia
Rua de Moçambique 4430-145 Vila Nova de Gaia
Credito habitacao
Segue a Agenda no Instagram!

Newsletter

Deixe um comentário

Translate »